Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tempo no Algarve

Estado do Tempo, Previsões, Alertas e Notícias sobre a Região Algarvia. E-mail: temponoalgarve@sapo.pt

Tempo no Algarve

Estado do Tempo, Previsões, Alertas e Notícias sobre a Região Algarvia. E-mail: temponoalgarve@sapo.pt

Calendário

Maio 2022

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

anúncio

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Facebook

Relógio

Google

Comentários recentes

Ofertas de Emprego - Faro

Google

Pesquisa

Custom Search

22
Fev15

2277: Volta ao Algarve 2015 - Classificação geral

Tempo no Algarve

Começou hoje, a 41ª Volta ao Algarve em Bicicleta, cuja 1ª etapa ligou Lagos a Albufeira, numa extensão de 166.7 km, numa etapa ganha por Gianni Meersman da Elixx-QuickStep.

 

Etapa/Stage/Étape
1.º Gianni Meersman (Etixx-QuickStep), 4h13m53s
2.º Ben Swift (Sky), mt
3.º Paul Martens (Lotto NL-Jumbo), mt
4.º Roy Jans (Wanty-Groupe Gobert), mt
5.º Zdenek Stybar (Etixx-QuickStep), mt
6.º Raymond Kreder (Team Roompot), mt
7.º Jesús Herrada (Movistar),mt
8.º Ramunas Navardauskas (Cannondale-Garmin), mt
9.º Michal Kwiatkowski (Etixx-QuickStep), mt
10.º Guillaume Boivin (Optum), mt

 

Geral/Overall/General
1.º Gianni Meersman (Etixx-QuickStep), 4h13m43s
2.º Ben Swift (Sky), a 4s
3.º Paul Martens (Lotto NL-Jumbo), a 6s
4.º Roy Jans (Wanty-Groupe Gobert), a 10s
5.º Zdenek Stybar (Etixx-QuickStep), mt
6.º Raymond Kreder (Team Roompot), mt
7.º Jesús Herrada (Movistar),mt
8.º Ramunas Navardauskas (Cannondale-Garmin), mt
9.º Michal Kwiatkowski (Etixx-QuickStep), mt
10.º Guillaume Boivin (Optum), mt

 

Fonte: Volta ao Algarve

 

Hoje, 19 de Fevereiro cumpriu-se a 2ª Etapa entre Lagoa e Monchique numa extensão de 197.2 Km.

 

O britânico Geraint Thomas (Sky) venceu hoje a segunda etapa da Volta ao Algarve, chegando em solitário ao final dos 196,7 quilómetros, que uniram Lagoa a Monchique, um desempenho que lhe garantiu a subida ao primeiro lugar da geral individual.

 

O corredor do País de Gales atacou na última subida, em plena serra de Monchique, a cerca de seis quilómetros da chegada, passou pelo estoniano Rei Taaramae (Astana), que seguia na frente, e acabou por chegar sozinho à meta, ao fim de 4h59m13s de corrida. Taaramae foi o segundo classificado, a 19 segundos, enquanto o italiano Valerio Agnoli (Astana), na terceira posição, a 23 segundos, liderou o primeiro grupo.

 

Geraint Thomas é o novo dono da Camisola Amarela Liberty Seguros, dispondo de uma vantagem de 30 segundos sobre Rein Taaramae e de 33 segundos relativamente a um grupo de onze corredores, encabeçado pelo campeão checo, Zdenek Stybar (Etixx-QuickStep), terceiro da geral individual.

 

A Sky passou a dominar completamente a corrida. Além da liderança na geral individual, Geraint Thomas é o melhor nas classificações por pontos e da montanha, e o colombiano Sebastian Henao assumiu o comando da juventude. Além disso, a formação britânica comanda coletivamente. A única classificação que escapa à Sky é aquela a que não pode concorrer, a de melhor português, encimada por Tiago Machado (Katusha).

“Desde o começo da Volta ao Algarve que eu e o Richie [Porte] fomos os corredores mais protegidos pela equipa. Mantive-me atento na última subida, e quando ultrapassei o [Rein] Taaramae tentei ir sozinho, pois sentia-me forte e com boas pernas. Sou um especialista em contrarrelógios mas só os de 4 quilómetros e na pista. Vou dar o meu melhor e tentar manter todas as camisolas. O Richie [Porte] é bom no contrarrelógio e será bom termos duas cartas para jogar à geral, porque a etapa de sábado é dura. Sinto-me bem aqui no Algarve. Tem bons hotéis, um tempo fantástico e estou a liderar três camisolas. O que poderia ser melhor?”, afirmou Thomas no final de uma jornada memorável.

 

Já Tiago Machado não se mostrou muito satisfeito, mas acredita na reviravolta: “Foi uma chegada que premiou os mais hábeis com a bicicleta. O mais importante é que cheguei com o grupo da frente e verei agora como correm as coisas no contrarrelógio, não sei como correrá mas sei bem que será ‘à morte’. Não temo a distância, já fiz contrarrelógios de 56 quilómetros. A discussão dos primeiros lugares ainda está longe de estar definida”.

 

Etapa/Stage/Étape


1.º Geraint Thomas (Sky), 4h59m13s (Média: 39,443 km/h)

2.º Rein Taaramae (Astana), a 19s
3.º Valerio Agnoli (Astana), a 23s
4.º Luis León Sánchez (Astana), mt
5.º Rubén Fernández (Movistar), mt
6.º Michal Kwiatkowski (Etixx-QuickStep), mt
7.º Zdenek Stybar (Etixx-QuickStep),mt
8.º Alberto Losada (katusha), mt
9.º Sergei Chernetski (Katusha), mt
10.º Lars Petter Nordhaug (Sky), mt

 

Geral/Overall/General


1.º Geraint Thomas (Sky), 9h12m56s
2.º Rein Taaramae (Astana), a 30s
3.º Zdenek Stybar (Etixx-QuickStep), a 33s
4.º Michal Kwiatkowski (Etixx-QuickStep), mt
5.º Luis León Sánchez (Astana), mt
6.º Rubén Fernández (Movistar), mt
7.º Richie Porte (Sky), mt
8.º Sergei Chernetski (Katusha), mt
9.º Tony Martin (Etixx-QuickStep), mt
10.º Tiago Machado (Katusha), mt

 

Fonte: Volta ao Algarve

 

A corrida poderá tomar uma configuração diferente já nesta sexta-feira, dia do contrarrelógio individual de 19 quilómetros, entre Vila do Bispo e o Cabo de S. Vicente.

 

O alemão Tony Martin (Etixx-QuickStep) e o britânico Geraint Thomas (Sky) foram os mais beneficiados com a terceira etapa da Volta ao Algarve, um contrarrelógio de 19 quilómetros hoje disputado entre Vila do Bispo e Sagres.

O campeão da Alemanha de contrarrelógio e campeão mundial da especialidade entre 2011 e 2013 foi o mais forte na etapa, pedalando à média de 52,174 km/h para cumprir o percurso em 21m51s. A vitória do germânico foi por uma unha negra, já que o campeão italiano de luta contra o tempo, Adriano Malori (Movistar), gastou apenas mais 403 milésimos de segundo.

Geraint Thomas alcançou o terceiro registo do dia, a 3 segundos do vencedor, e reforçou o estatuto de líder da competição. O ciclista da Sky permanece em posse da Camisola Amarela Liberty Seguros, tendo 30 segundos de vantagem sobre Tony Martin e 39 segundos de margem sobre o campeão mundial de fundo, Michal Kwiatkowski, dois homens da Etixx QuickStep, que preenchem o pódio da geral individual.

“Vim ao Algarve para experimentar a minha condição e fazer um bom teste, pois em fevereiro nunca se sabe qual é o nosso estado de forma. Esta é minha primeira vitória do ano. É sempre bom ganhar novamente no Algarve, todos os anos venho aqui e, com esta vitória, não consigo imaginar melhor maneira de começar a época. A diferença para o Thomas será difícil de recuperar. A última subida não é tão extensa para que se possa recuperar a desvantagem mas temos uma equipa forte e, se montarmos uma boa estratégia, jogando comigo e com o Kwiatkowski, temos possibilidades. É uma corrida em aberto e não vamos desistir”, prometeu Tony Martin, de olhos postos na quarta etapa.

Tiago Machado (Katusha) foi o melhor português na etapa, terminando com o décimo registo, a 37 segundos de Martin. Na geral, o famalicense subiu ao sétimo lugar, a 1m07s de Thomas, podendo ainda aspirar ao pódio. “Atendendo ao percurso do contrarrelógio, penso que estive bem, dado que o perfil da estrada e o vento favoreciam homens mais pesados. Deixei tudo na estrada e agora resta-me descansar para amanhã, que será mais um dia chave”, afirmou Tiago Machado.

Geraint Thomas lidera a geral individual e as classificações por pontos e da montanha. Sebastian Henao (Sky) comanda a tabela dos mais jovens e a Etixx-QuickStep é a melhor equipa.

“Hoje conservámos a camisola amarela e isso era o mais importante. Amanhã será um dia duro, etapa será bastante extensa, com mais de 200 quilómetros. Tudo pode acontecer. Vamos tentar controlar a corrida e manter a camisola amarela”, disse o líder.

 

Etapa/Stage/Étape


1.º Tony Martin (Etixx-QuickStep), 21m51s
2.º Adriano Malori (Movistar), mt
3.º Geraint Thomas (Sky), a 3s
4.º Michal Kwiatkowski (Etixx-QuickStep), a 9s
5.º Anton Vorobyev (Katusha), a 19s
6.º Jonathan Castroviejo (Movistar), a 26s
7.º Rein Taaramae (Astana), mt
8.º Luis León Sánchez (Astana), a 32s
9.º Sergei Chernetski (Katusha), a 34s
10.º Tiago Machado (Katusha), a 37s

 

Geral/Overall/General


1.º Geraint Thomas (Sky), 9h34m50s
2.º Tony Martin (Etixx-QuickStep), a 30s
3.º Michal Kwiatkowski (Etixx-QuickStep), a 39s
4.º Rein Taaramae (Astana), a 53s
5.º Luis León Sánchez (Astana), a 1m02s
6.º Sergei Chernetski (Katusha), a 1m04s
7.º Tiago Machado (Katusha), a 1m07s
8.º Zdenek Stybar (Etixx-QuickStep), a 1m31s
9.º Richie Porte (Sky), a 1m33s
10.º Rubén Fernández (Movistar), a 1m38s

 

Fonte: Volta ao Algarve

 

Tudo pode, no entanto, mudar neste sábado, com a realização da etapa rainha da Volta ao Algarve. Os corredores vão enfrentar uma longa viagem de 218,3 quilómetros, com partida em Tavira, às 10h50, e chegada prevista para as 16h00, no alto do Malhão. A meta coincide com uma contagem de montanha de segunda categoria, que vai, provavelmente, determinar a classificação geral.

 

A equipa britânica Sky dominou em toda a linha a quarta etapa da Volta ao Algarve, que hoje levou o pelotão desde Tavira até ao alto do Malhão, ao longo de extenuantes 218,3 quilómetros. O australiano Richie Porte venceu a tirada, enquanto o britânico Geraint Thomas conservou a Camisola Amarela Liberty Seguros.

 

A formação belga Etixx-QuickStep tudo tentou para contrariar o favoritismo dos homens da Sky, lançando Tony Martin e Zdenek Stybar em ataques sucessivos. Só que a armada britânica teve argumentos para responder e manteve a tradição na mítica subida do concelho de Loulé. Em quatro participações na Volta ao Algarve, a Sky ganhou quatro vezes no alto do Malhão: Richie Porte, em 2012 e em 2015, Sergio Henao, em 2013, e Stephen Cummings, em 2011.

 

Richie Porte levou 5h55m34s a cumprir os 218,3 quilómetros da etapa deste sábado, adiantando-se em 3 segundos ao campeão mundial de fundo, Michal Kwiatkowski (Etixx-QuickStep) e em 6 segundos ao campeão de Espanha, Ion Izaguirre (Movistar), segundo e terceiro, respetivamente, que foram os primeiros a ser vitoriados pelos milhares de espectadores que se concentraram na subida final.

 

“Desta vez não estava previsto ganhar. A Etixx desgastou-nos bastante e eu estava reservado para rodar forte nos últimos 10 quilometros antes da subida. É bom poder recompensar o Thomas com a camisola amarela porque ele, nos últimos anos, fez muito por mim e pela minha carreira. A 300 metros da meta ele disse-me para atacar e tudo correu bem. Dias como este são raros. Foi perfeito. É um excelente arraque para a temporada e fortalece o moral da Sky”, declarou o australiano, vencedor da Volta ao Algarve em 2012.

 

Geraint Thomas, sempre bem acolitado por Porte, aguentou as ofensivas dos adversários, foi o quarto a cruzar a meta e comanda a geral individual com 27 segundos de vantagem sobre Kwiatkowski. “Foram seis horas de sobe e desce. Foi um dia duro, mas estou feliz, sobretudo por ter mantido a camisola amarela e o Richie [Porte] ter ganho a etapa. Vamos manter a camisola até ao final porque amanhã será ao sprint e não deverá haver problemas. Veremos como corre o Paris-Nice, mas o Richie será a aposta e eu um plano de reserva. Penso que iremos na melhor forma que pudermos, mas ele será o número um”, afiançou Thomas.

 

O português Tiago Machado (Katusho), sexto na etapa, cumpriu o objetivo com que entrou nesta Volta ao Algarve: chegou ao pódio da geral individual. Vai partir para a última etapa na terceira posição, a 1m11s da camisola amarela. “Gostava de ter discutido a etapa mas os homens da Sky controlaram e foram mais fortes. Tentei fazer o melhor possível e o pódio é um objetivo alcançado. Sabíamos a qualidade dos nossos adversários mas quando me ponho a pé da cama quero sempre ganhar. Penso que após tantos anos a discutir a Volta ao Algarve já merecia ganhar esta prova. Preparo-me no Inverno para estar aqui bem, mas tem aparecido sempre alguém mais forte”, disse Tiago Machado.

 

Nas classificações secundárias, Richie Porte assumiu a liderança da montanha, Geraint Thomas é o primeiro na calssificação por pontos, Tiago Machado segue como melhor português e o italiano Davide Formolo (Cannondale-Garmin) assumiu a liderança da juventude. A russa Katusha, dirigida pelo português José Azevedo, está agora á frente por equipas.

 

Etapa/Stage/Étape
1.º Richie Porte (Sky), 5h55m34s
2.º Michal Kwiatkowski (Etixx-QuickStep), a 3s
3.º Ion Izaguirre (Movistar), a 6s
4.º Geraint Thomas (Sky), a 9s
5.º Michael Woods (Optum p/b Kelly Benefit Strategies), a 13s
6.º Tiago Machado (Katusha), mt
7.º Davide Formolo (Cannondale-Garmin), a 16s
8.º Alberto Losada (Katusha), a 21s
9.º Luis León Sánchez (Astana), a 25s
10.º José Mendes (Bora-Argon 18), a 31s

Geral/Overall/Général
1.º Geraint Thomas (Sky), 15h30m33s
2.º Michal Kwiatkowski (Etixx-QuickStep), a 27s
3.º Tiago Machado (Katusha), a 1m11s
4.º Richie Porte (Sky), a 1m14s
5.º Luis León Sánchez (Astana), a 1m18s
6.º Rein Taaramae (Astana), a 1m19s
7.º Sergei Chernetski (Katusha), a 1m32s
8.º Alberto Losada (Katusha), a 1m55s
9.º Rubén Fernández (Movistar), a 2m04s
10.º Ion Izaguirre (Movistar), a 2m21s

 

A 41.ª Volta ao Algarve termina neste domingo com uma etapa de 184,9 quilómetros, entre Almodôvar (10h30) e Vilamoura (14h42). Se prevalecer a lógica, será uma tirada propícia para os velocistas e de consagração para aqueles que conseguiram os melhores lugares na geral individual.

 

Fonte: Volta ao Algarve

 

O alemão André Greipel (Lotto Soudal), corredor mais vitorioso de 2014, estreou hoje o palmarés de 2015, vencendo a quinta e última etapa da Volta ao Algarve, uma ligação de 184,9 quilómetros, entre Almodôvar e Vilamoura, que coroou o britânico Geraint Thomas (Sky) vencedor da edição 41 da mais internacional das corridas que se disputam em Portugal.

Como se esperava, os sprinters ditaram leis na derradeira tirada da competição, disputada a uma estonteante velocidade de 43,392 km/h. Na reta da meta, o numeroso público vibrou com um apertado sprint entre André Greipel e o belga Tom van Asbroeck (Lotto NL-Jumbo), com triunfo do germânico. O terceiro foi o alemão Rudiger Selig (Katusha), após desclassificação do holandês Raymond Kreder (Team Roompot) por sprint irregular.

“A Volta ao Algarve foi a minha primeira grande corrida da época e queríamos aqui ganhar uma etapa. Foi uma vitória da equipa, o meu ‘comboio’ de lançamento estava onde devia estar e, na verdade, não precisei de fazer muito, apenas seguir o plano. Gosto de correr no Algarve, onde o tempo é quase sempre bom. É uma excelente promoção para a região”, reconheceu o vencedor da etapa.

 

O britânico Geraint Thomas cortou a meta integrado no pelotão e sucedeu ao polaco Michal Kwiatkowski (Etixx-QuickStep) na galeria de vencedores da Volta ao Algarve. O corredor natural do País de Gales concluiu a competição com 27 segundos de vantagem sobre Kwiatkowski e com 1m11s relativamente ao português Tiago Machado (Katusha), que completaram o pódio.

“Não esperava ganhar no Algarve, porque o líder designado era o Richie Porte. Arrisquei no segundo dia, conquistei a camisola amarela e a partir daí foi uma semana incrível para a equipa, que ganhou duas etapas, a geral, e duas camisolas. Estou satisfeito com a minha forma, tenho um grande mês pela frente, com o Paris-Nice e com as clássicas e anseio pelas próximas corridas. Não ganho com muita frequência, mas olhando para a lista de vencedores e para as equipas presentes, é uma sensação ótima ganhar uma etapa e defender a amarela até ao final”, regozijou-se Geraint Thomas.

O adversário mais direto de Thomas foi Michal Kwiatkowski, que reconheceu a superioridade do opositor: “”No Malhão tudo fizemos para conseguir vencer. Como equipa nunca desistimos e acabamos por gastar todas as munições para vencer a geral. Mas o Thomas protagonizou uma excelente performance e conseguiu vencer”.

Tiago Machado fechou o pódio e terminou a corrida com a sensação do dever cumprido: “No Algarve viram-me crescer como ciclista. Já desde júnior que corro na região e sempre aqui tentei dar o máximo. Um dia ainda ganharei a Algarvia para lhes poder dedicar todo o apoio que me têm dado. Na estrada, os adversários foram mais fortes do que eu. Vinha para vencer, trabalhei bem, mas não deu. Um dia será diferente”, prometeu o famalicense.

As classificações secundárias ficaram com a mesma configuração que lhes foi dada pela etapa do Malhão. Além da Camisola Amarela Liberty Seguros, Geraint Thomas leva para casa a Camisola Verde Turismo do Algarve, da classificação por pontos, o colombiano Sergio Henao (Sky) enriqueceu a bagagem com a Camisola Azul Fundação do Desporto, símbolo de melhor trepador, enquanto o italiano David Formolo (Cannondale-Garmin) foi o melhor jovem da Volta ao Algarve, conquistando a Camisola Branca Cyclin’Portugal. A Camisola Laranja AMAL, prémio para o melhor português, foi ganha por Tiago Machado. A russa Katusha, comandada pelo português José Azevedo, triunfou por equipas.

 

Etapa/Stage/Étape


1.º André Greipel (Lotto Soudal), 4h15m40s (Média: 43,392 km/h)
2.º Tom van Asbroeck (Lotto NL-Jumbo), mt
3.º Rudiger Selig (Katusha), mt
4.º Gianni Meersman (Etixx-QuickStep), mt
5.º Phil Bauhaus (Bora-Argon 18), mt
6.º Roy Jans (Wanty-Groupe Gobert), mt
7.º Jurgen Roelandts (Lotto Soudal), mt
8.º Alexander Porsev (Katusha), mt
9.º Ben Swift (Sky), mt
10.º Filipe Cardoso (Efapel), mt

 

Geral/Overall/Général


1.º Geraint Thomas (Sky), 19h46m13s
2.º Michal Kwiatkowski (Etixx-QuickStep), a 27s
3.º Tiago Machado (Katusha), a 1m11s
4.º Richie Porte (Sky), a 1m14s
5.º Luis León Sánchez (Astana), a 1m18s
6.º Rein Taaramae (Astana), a 1m19s
7.º Sergei Chernetski (Katusha), a 1m32s
8.º Alberto Losada (Katusha), a 1m55s
9.º Rubén Fernández (Movistar), a 2m04s
10.º Ion Izaguirre (Movistar), a 2m21s

 

Fonte: Volta ao Algarve

 

 

 

 

 

17
Fev15

2275: Volta ao Algarve 2015: Com pelotão de luxo até domingo nas estradas algarvias

Tempo no Algarve

A primeira etapa da competição leva o pelotão desde Lagos até Albufeira, numa viagem de 166,7 quilómetros, com início no Parque das Feiras de Lagos, às 10h50, e chegada à Câmara Municipal de Albufeira prevista para as 15h00, cerca de 30 minutos após a primeira passagem na meta. Uma contagem de montanha de terceira categoria, ao quilómetro 110,7 não deverá ser obstáculo para uma chegada ao sprint.

Entre os favoritos ao protagonismo na primeira etapa estão o campeão da Alemanha de fundo e corredor com mais vitórias em 2014, André Greipel (Lotto Soudal), que já confessou sentir fome de vitórias; o campeão russo, Alexander Porsev (Katusha); o belga Gianni Meersman (Etixx-QuickStep), vencedor em Albufeira em 2012; os compatriotas Tom van Asbroeck (Lotto NL-Jumbo) e Roy Jans (Wanty-Groupe Gobert); o britânico Ben Swift (Sky); e o alemão Phil Bauhaus (Bora-Argon 18).

Os candidatos ao triunfo final na Volta ao Algarve terão de mostrar-se na segunda etapa, 197,2 quilómetros, entre Lagoa e Monchique, cujo carrossel final, na serra de Monchique, irá fazer a primeira triagem de valores. Será a altura para aquilatar o estado de forma dos corredores que se revelaram os melhores das quatro últimas edições e que estão de regresso ao Algarve: o campeão mundial de fundo e vencedor da Volta ao Algarve em 2014, Michal Kwiatkowski (Etixx-QuickStep); o vencedor da Algarvia em 2011 e em 2013, Tony Martin (Etixx-QuickStep); e o vencedor da prova em 2012, Richie Porte (Sky).

Além destes, terão de comprovar o seu quinhão de favoritismo homens como Tiago Machado (Katusha), Luis León Sánchez (Astana), Robert Gesink (Lotto NL-Jumbo), Tony Gallopin (Lotto Soudal), Ion Izaguirre e Rubén Fernández (Movistar) e Geraint Thomas (Sky).

A terceira etapa é a chamada prova da verdade, um contra-relógio individual de 19 quilómetros, entre Vila do Bispo e o Cabo de S. Vicente. Além dos favoritos ao triunfo final, os contra-relogistas puros terão uma palavra a dizer. É o caso de Adriano Malori e Jonathan Castroviejo (Movistar), Ramunas Navardauskas e Sebastian Langeveld (Cannondale-Garmin) ou Rafael Reis (Tavira).

A etapa rainha é a quarta, a disputar no Sábado, ao longo de 218,3 quilómetros, com partida de Tavira e chegada ao alto do Malhão, Loulé. A meta coincide com uma contagem de montanha de segunda categoria; para lá dos principais candidatos à camisola amarela Liberty Seguros, devemos seguir com atenção as prestações dos trepadores Michele Scarponi (Astana), André Cardoso e Davide Formolo (Cannondale-Garmin), Igor Antón (Movistar), Ricardo Vilela (Caja Rural-Seguros RGA), Emanuel Buchmann (Bora-Argon 18) e Joaquim Silva (W52-Quinta da Lixa).

Para o último dia espera-se a consagração dos vencedores e nova chegada ao jeito dos velocistas, ao fim 194,9 quilómetros, entre Almodôvar e Vilamoura.

Equipas

WorldTour
Astana (CAZ), Cannondale-Garmin (EUA), Ettix-QuickStep (BEL), Katusha (RUS), Lotto NL-Jumbo (HOL), Lotto Soudal (BEL), Movistar (ESP) e Sky (GBR)

Continentais Profissionais
Bora-Argon 18 (GER), Caja Rural-Seguros RGA (ESP), RusVelo (RUS), Team Roompot (HOL) e Wanty-Groupe Gobert (BEL)

Continentais
Efapel (POR), LA Alumínios-Antarte (POR), Louletano-Ray Just Energy (POR), Rádio Popular-Boavista (POR), Tavira (POR), W52-Quinta da Lixa (POR), ActiveJet (POL), Murias Taldea (ESP) e Optum p/b Kelly Benefit Strategies (EUA).

 

Fonte: Multidesportos

29
Jan14

2010: 40.ª Volta ao Algarve entre 19 e 23 de Fevereiro de 2014

Tempo no Algarve

A 40.ª edição da Volta ao Algarve em bicicleta vai regressar em 2014 ao tradicional formato de cinco etapas, apresentando um percurso “muito variado e mais competitivo do que em anos anteriores”, revelou hoje a organização.

Em comunicado, a organização da “Algarvia” defende que este ano o objetivo é dar a oportunidade de brilhar a todo o tipo de corredores.

Entre 19 e 23 de fevereiro, o pelotão vai percorrer um total de 690 quilómetros, distribuídos por quatro etapas em linha e um contrarrelógio individual de 13,6 quilómetros.

“O traçado é variado, contemplando tiradas para sprinters puros, mas também a emblemática chegada ao Alto do Malhão e um contrarrelógio individual na terceira etapa”, explica a nota.

A etapa inaugural, no dia 19 de fevereiro, vai ligar Faro a Albufeira, ao longo de 160 quilómetros, com a contagem de montanha de terceira categoria, instalada logo no quilómetro 34, a não ser obstáculo para que a decisão aconteça no final da jornada, sendo expetável que os sprinters meçam forças na meta localizada perto da Câmara Municipal de Albufeira.

A segunda tirada é a mais longa da competição, com 196 quilómetros, desde Lagoa até Monchique, apresentando algumas dificuldades na sua parte final.

O traçado, com características de ‘clássica’, contempla dois prémios de montanha de terceira categoria, o último dos quais a cerca de cinco quilómetros da meta.

O contrarrelógio da «Algarvia», habitualmente reservado para a última etapa, tem lugar no terceiro dia e vai ligar Vila do Bispo a Sagres, numa extensão de 13,6 quilómetros.

Num exercício individual mais curto do que o normal – que se apresenta mais técnico nos últimos dois quilómetros – espera-se que a corrida fique em aberto para o dia seguinte, ainda que o «crono» deva contribuir para uma triagem dos favoritos para a vitória final.

As decisões finais ficam guardadas para o quarto dia, quando os corredores percorrerem 164,5 quilómetros, entre Almodôvar e o Alto do Malhão, num dia decisivo para os trepadores.

Depois de um percurso ondulado, os últimos 45 quilómetros apresentam uma primeira passagem pela meta final ao quilómetro 121.

A 11,5 quilómetros do final, surge uma novidade que será uma autêntica “armadilha”: os corredores vão enfrentar uma subida de terceira categoria, que tem apenas um quilómetro de extensão, mas cuja inclinação média é de 13 por cento, o que pode originar ataques entre os candidatos.

A Volta ao Algarve termina no dia 23, com a ligação entre Tavira e Vilamoura, um percurso que é uma novidade, uma vez que o pelotão irá efetuar um percurso de cinco voltas na área de Vilamoura – cada volta com a extensão de 11,9 quilómetros –, numa etapa desenhada para sprinters puros.

 

Fonte: Região Sul

19
Mai13

1828: Olhanense garante manutenção com “nulo” diante do Marítimo

Tempo no Algarve

O Olhanense "festejou" hoje a manutenção na I Liga portuguesa de futebol, depois de ter empatado sem golos com o Marítimo, em Olhão, na derradeira jornada da prova.

Com os ouvidos colados no rádio e no Benfica-Moreirense, os golos e o triunfo "encarnado" (3-1) acabaram por ser mais celebrados no Estádio José Arcanjo do que no Estádio da Luz, uma vez que o Olhanense, apesar de precisar do triunfo, controlou o "nulo" e esteve sempre à espera da vitória das "águias".

 

Com os algarvios necessitados de pontos e os madeirenses a espreitarem a possibilidade de ainda se qualificarem para a Europa, face às dificuldades do Vitória de Guimarães - anulada rapidamente pelo resultado do Sporting em Aveiro (4-1)-, a primeira parte foi de relativo equilíbrio.

 

O Olhanense teve a primeira grande ocasião do jogo, com Lucas, no "coração" da grande área, a atirar por cima, aos 17 minutos, lance que teve resposta do Marítimo à meia hora, com Rafael Bracalli a bloquear um "tiro" de Danilo Dias.

 

Até ao intervalo, o perigo raramente rondou as duas balizas, com ambos os conjuntos a acumularem uma "mão cheia" de remates para fora ou ao lado.

 

Com o panorama negativo vindo do Estádio da Luz ao intervalo, o golo do empate do Benfica, já na segunda metade, ainda mantinha a equipa algarvia em posição de descida.

 

O Olhanense passava o tempo com mais posse de bola mas parecia ir controlando o "nulo" à espera de nova ajuda "encarnada", vendo Artur rematar por cima e desperdiçar uma boa oportunidade para dar vantagem ao Marítimo, aos 77 minutos.

 

Bruno Saraiva arriscou e reforçou o ataque com os dianteiros brasileiros Djalmir e Leandro, mas a melhor notícia chegou de outro campo, com o 2-1 do Benfica ao Moreirense a ser celebrado como se de um golo algarvio se tratasse.

 

Até ao apito final, Leandro desperdiçou um bom lance para inaugurar o marcador (87) e Fidélis esteve muito próximo de estragar a "festa" do conjunto de Olhão (89), atirando a rasar o poste direito.

 

O terceiro golo do Benfica, já com o encontro de Olhão terminado, "confirmou" a festa algarvia.

 

Fonte: Lusa

29
Abr12

1564: Centenário do Olhanense celebrado em noite de gala

Tempo no Algarve

O Olhanense comemorou sexta-feira um século de história, mas foi ontem que as celebrações tiveram o seu auge, numa cerimónia que foi abrilhantada pela presença do Presidente da República, sócio honorário do emblema rubro negro.

Cavaco Silva inaugurou a renovada sala de troféus do clube, ouvindo atentamente as explicações do presidente Isidoro Sousa sobre a história de cada uma das taças conquistadas.

«Hoje é um dia especial. Para o concelho de Olhão e  para o Olhanense pelos seus cem anos de história. Como Presidente da República e sócio honorário é um imenso orgulho estar aqui presente. A minha relação afetiva com Olhão tem mais de meio século, remonta  à minha infância, quando passava férias na ilha da Armona. O Olhanense já era então um clube de referência», lembrou Cavaco Silva.

 

Fonte: A Bola

 

Fotos

 

 

 

Fonte: Carlos Vidigal Jr./ASF

 

 

Fonte: SIC

27
Abr12

1563: Centenário do Sporting Clube Olhanense

Tempo no Algarve

O Olhanense está de parabéns. O clube da cidade da capital da Ria Formosa comemora hoje 100 anos de vida.

Um marco histórico de o clube que em 1923/24 se sagrou campeão de Portugal, contando ainda no seu currículo com vários títulos, entre muitos destaca-se campeonatos do Algarve, 3ª Divisão Nacional, 2ª Divisão Nacional e Liga de Honra.

Num dia especial, o Mercado Municipal de Olhão acordou vestido de rubro-negro, pois foram muitos os elementos das bancas de venda de peixe que se vestiram a rigor, sem deixar passar em claro o dia de aniversário do clube mais representativo da cidade de Olhão.

A alegria invade os sócios e simpatizantes do Olhanense que, neste dia especial, desejam receber uma prenda. «Tragam de Braga uma vitória para colorir este dia magnífico», ambicionam os adeptos, que não esqueceram os jogadores «tem sido brilhantes» e os vários treinadores que passaram pelo clube desde a ascensão da 2ª B até à Liga.

«Entre muitos outros, Paulo Sérgio, Diamantino Miranda, Álvaro Magalhães, Jorge Costa, Daúto Faquirá e Sérgio Conceição também fazem parte desta história. Estamos gratos a eles, bem como à direção presidida por Isidoro Sousa», agradeceram os adeptos.

O ponto alto das comemorações está agendado para este sábado, com a presença do Presidente da República, Cavaco Silva; Alexandre Mestre, secretário Estado do Desporto e Juventude; Fernando Gomes, presidente da FPF; Mário Figueiredo, presidente da Liga de Clubes, entre outros convidados de honra.

Antes do jantar de gala, marcado para as 20 horas, no Hotel Real Marina, em Olhão, o Presidente da República inaugurará a remodelada sala de troféus do Estádio José Arcanjo.

 

Fonte: A Bola

 

Hino do Sporting Clube Olhanense

 

 

04
Jan12

1494: Volta ao Algarve: Equipa russa Rusvelo, Lars Boom e Luis León Sánchez confirmados

Tempo no Algarve
A 38.ª edição da Volta ao Algarve em bicicleta, que se realiza entre 15 e 19 de fevereiro, terá a presença da nova equipa russa do escalão continental profissional, a Rusvelo, avançou hoje a organização.


A Rusvelo, que é o 17.º conjunto internacional confirmado na edição deste ano da “Algarvia”, surge no panorama internacional em 2012, sendo uma porta de entrada na alta roda para os melhores jovens ciclistas da Rússia.

No Algarve, o coletivo de Leste surge capitaneado por dois homens já com vasta experiência, Serguey Klimov, que volta às estradas após um ano de paragem e depois de já ter representado a Katusha, e Ivan Rovny, corredor da RadioShack em 2010 e 2011.

A organização da prova algarvia divulgou também a lista de pré-inscritos da equipa holandesa Rabobank, que traz a Portugal um forte leque de contrarrelogistas: o campeão holandês Stef Clement, o compatriota Lars Boom e o campeão espanhol da mesma disciplina, Luis León Sánchez.

Da lista de pré-inscritos, fazem parte 10 equipas ProTeams, formações da primeira divisão internacional: Ag2r La Mondiale, BMC, Garmin-Cervélo, Lotto-Belisol, Omega Pharma-QuickStep, Rabobank, RadioShack-Nissan, Saxo Bank, Sky e Vacansoleil.

Além do tricampeão da Volta a França, Alberto Contador, nos boletins de inscrição remetidos para a organização constam os nomes do alemão
Andreas Klöden e dos portugueses Nelson Oliveira e Tiago Machado, da RadioShack-Nissan, dos britânicos Bradley Wiggins e Christopher Froome e do norueguês Edvald Boasson Hagen, da Sky, do irlandês Nicolas Roche, da Ag2r, e de norte-americano Tyler Farrar, da Garmin.

No pelotão da Volta ao Algarve, nos quais se incluem outras duas formações continentais, a Topsport Vlaanderen-Mercator e a UnitedHealthcare, terão também lugar as quatro equipas profissionais portuguesas.

A Volta ao Algarve, que tem como vencedor em título o alemão Tony Martin, da Omega Pharma-QuickStep, percorrerá as estradas
algarvias entre 15 e 19 de fevereiro.
 
Fonte: Região Sul
01
Jan12

1491: Sérgio Conceição apresentado segunda-feira no Olhanense

Tempo no Algarve

Sérgio Conceição é o sucessor de Daúto Faquirá no comando técnico do Olhanense e será apresentado esta segunda-feira, começando de imediato a trabalhar, com vista ao jogo do próximo dia 8 de janeiro, com o Marítimo, na Madeira.

 

O antigo jogador do FC Porto, que desempenhou a função de adjunto no Standard de Liége, vai viver a sua primeira experiência no comando de uma equipa profissional.

 

A Hélder Rocha (adjunto) e Diamantino Figueiredo (treinador de guarda-redes), que transitam da equipa técnica cessante, vão juntar-se mais dois elementos, a definir nas próximas horas.

 

Fonte: Record

04
Dez11

1475: Olhanense vence Estoril nos penalties e qualifica-se para os quartos-de-final da Taça de Portugal

Tempo no Algarve

Até aos 90'+3', tudo parecia decidido: uma bomba de João Coimbra tinha colocado o Estoril em vantagem e tudo levava a crer que eram os canários a passar aos quartos-de-final. Errado: uma asneirada de Steven Vitória permitiu a Rui Duarte empatar o jogo. Mais de meia hora (e dois golos) depois, o Olhanense carimbou o apuramento com novo penálti saído do pé direito do capitão.

Sem perder há cinco jogos - e com apenas um golo sofrido nesse período -, o Olhanense viu-se manietado durante grande parte do jogo. Impulsionado pelos cânticos dos adeptos, incansáveis a apoiar a equipa durante todo o encontro, o Estoril foi sempre mais acutilante a sair para o ataque, com o trio Licá-Adilson-Moreira a revelar-se um verdadeiro quebra-cabeças para os defesas algarvios.

Não estranhou, por isso, o golo do conjunto da casa, um remate seco de João Coimbra. O melhor que o Olhanense conseguiu até aos descontos foi um golo fora-de-jogo de Djalmir (correctamente anulado) e outras duas ocasiões negadas por intervenções de grande nível de Vagner.

Uma mão totalmente escusada de Steven Vitória mudaria o rumo do jogo. Rui Duarte empatou de penálti e o Olhanense ganhou fôlego, adiantando-se no marcador já na segunda parte do prolongamento com um golaço de Yontcha.

Em cima dos 120', um golo de cabeça de... Steven Vitória voltou a baralhar as contas, ditando o recurso às grandes penalidades. Aí, a turma de Olhão foi mais eficaz: só Cauê falhou, ao contrário de Licá e Diogo Amado no Estoril. A decisão ficou no pé direito de Rui Duarte, e o capitão algarvio colocou a equipa de Daúto Faquirá nos quartos pela primeira vez desde 1995/96.

O Olhanense irá agora defrontar o vencedor do confronto entre Mirandela e Oliveirense.

 

A figura

 

Rui Duarte | O capitão das decisões

Acrescentou inteligência e clarividência ao meio-campo algarvio e deu a cara nos dois momentos decisivos do encontro: o penálti aos 90'+3' e o último do desempate, que valeu a qualificação ao Olhanense.

 

Estoril 2 | Olhanense 2* | *A.P. (2-4 g.p.)

Estádio António Coimbra da Mota

Árbitro Bruno Paixão [AF Setúbal]

Treinador Marco Silva

Vagner; Vítor Moreno, Steven Vitória, Lameirão e Tiago Gomes; Diogo Amado, Gonçalo e João Coimbra (Rodrigo Dantas 81'); Licá, Adilson (Anderson Luís 90'+1') e Moreira (Gerso 71')

Treinador Daúto Faquirá

Fabiano; João Gonçalves, André Pinto, Mexer e Vítor Vinha; Fernando Alexandre (Yontcha 67'); Mateus (Rui Duarte 63') e Cauê; Salvador Agra, Dady (Djalmir 19') e Wilson Eduardo

 

Ao intervalo 1-0

Golos - 17' João Coimbra, 90'+3' Rui Duarte (g.p.), 113' Yontcha, 120' Steven Vitória

Amarelos - 19' Gonçalo, 36' Lameirão, 55' Diogo Amado, 72' Cauê, 90'+3' Steven Vitória, 95' João Gonçalves, 100' Yontcha, 116' Wilson Eduardo

 

Fonte: O Jogo

08
Ago11

1387: Seleção do Luxemburgo assaltada no Algarve

Tempo no Algarve

A seleção do Luxemburgo encontra-se em Portugal para jogar um particular com a seleção nacional.


 


A comitiva da seleção do Luxemburgo foi vítima de assalto numa unidade hoteleira algarvia, onde se encontra a preparar o jogo particular com a seleção portuguesa na próxima quarta-feira.


 


De acordo com uma fonte da Federação Portuguesa de futebol, alguns jogadores e dirigentes da comitiva luxemburguesa foram roubados na unidade hoteleira, que assumiu a perda de todos os valores roubados dos hóspedes.


 


A FPF fez saber que disponibilizou todo o auxílio e material de que a comitiva luxemburguesa possa necessitar.


 


Fonte: Sapo


 


Calendário

Maio 2022

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

anúncio

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Facebook

Relógio

Google

Comentários recentes

Ofertas de Emprego - Faro

Google

Pesquisa

Custom Search