Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Tempo no Algarve

Estado do Tempo, Previsões, Alertas e Notícias sobre a Região Algarvia. E-mail: temponoalgarve@sapo.pt

Tempo no Algarve

Estado do Tempo, Previsões, Alertas e Notícias sobre a Região Algarvia. E-mail: temponoalgarve@sapo.pt

Calendário

Fevereiro 2016

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
2829

anúncio

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Facebook

Relógio

Misterwhat

Comentários recentes

Ofertas de Emprego - Faro

Google

Pesquisa

Custom Search

21
Fev16

2505: Volta ao Algarve 2016 - Classificação Geral

Tempo no Algarve

Os alemães Marcel Kittel (Etixx-QuickStep) e André Greipel (Lotto Soudal) confirmaram os prognósticos e discutiram entre si a primeira etapa da Volta ao Algarve, com o primeiro a superiorizar-se, no final dos 163,6 quilómetros que ligaram Lagos a Albufeira.

A tirada decidiu-se num veloz sprint, que entusiasmou o numeroso público presente em Albufeira. Tanto Kittel como Greipel reafirmaram na estrada o poderoso início de época que estão a fazer, mas foi Kittel a erguer os braços e a ficar com a primeira camisola amarela Cyclin’Portugal. Greipel teve de contentar-se com a segunda posição, deixando o terceiro posto para o belga Jasper Stuyven (Trek-Segafredo), todos com o mesmo tempo.

As bonificações colocam Marcel Kittel com uma vantagem de 4 segundos sobre Greipel e com uma margem de 6 segundos face a Stuyven. De entre os candidatos ao triunfo na classificação final, o português Tiago Machado (Katusha) foi o melhor, cortando a meta na sétima posição.

Marcel Kittel juntou a camisola verde Turismo do Algarve, da liderança por pontos, à vestimenta amarela, de líder da geral. O polaco Kamil Gradek (Verva ActiveJet) subiu ao pódio para envergar a camisola azul Liberty Seguros de melhor trepador, recompensa pela fuga, que durou mais de 150 quilómetros, que encetou na companhia de Domingos Gonçalves (Caja Rural-Seguros RGA) e de Alexandr Kolobnev (Gazprom-RusVelo). Esta iniciativa sucumbiu à perseguição do pelotão, comandado pela Lotto Soudal e pela Etixx-QuickStep, sendo a fuga anulada nos últimos 10 quilómetros.

O colombiano Sebastián Henao (Sky) parte a etapa desta quinta-feira com a camisola branca Fundação do Desporto, de melhor jovem. Prevê-se que esta tirada seja a etapa rainha da competição. Os corredores irão enfrentar 198,6 quilómetros, com partida de Lagoa e chegada no alto da Fóia, Monchique.

A meta da segunda etapa coincide com uma contagem de montanha de primeira categoria, no ponto mais alto do Algarve, mas as dificuldades começam muito antes. O primeiro momento decisivo da viagem deverá ser o início da subida para a Picota, uma zona de estrada estreita e muito inclinada, onde quem não estivem bem colocado pode ficar definitivamente arredado da discussão dos primeiros postos.

Classificações/Results
1.ª Etapa/1st Stage: Lagos – Albufeira, 163,6 km
1. Marcel Kittel (Etixx-QuickStep), 3h52m35s (Média: 42,204 km/h)
2. André Greipel (Lotto Soudal), mt
3. Jasper Stuyven (Trek-Segafredo), mt
4. Wouter Wippert (Cannondale), mt
5. Victor Campanaerts (Lotto NL-Jumbo), mt
6. Salvatore Puccio (Sky), mt
7. Tiago Machado (Katusha), mt
8. Alex Dowsett (Movistar), mt
9. Roman Maikin (Gazprom-RusVelo), mt
10. Pawel Cieslik (Verva Activejet), mt

Geral/Overall
1. Marcel Kittel (Etixx-QuickStep), 3h52m35s
2. André Greipel (Lotto Soudal), a 4s
3. Jasper Stuyven (Trek-Segafredo), a 6s
4. Wouter Wippert (Cannondale), a 10s
5. Victor Campanaerts (Lotto NL-Jumbo), mt
6. Salvatore Puccio (Sky), mt
7. Tiago Machado (Katusha), mt
8. Alex Dowsett (Movistar), mt
9. Roman Maikin (Gazprom-RusVelo), mt
10. Pawel Cieslik (Verva Activejet), mt

 

Fonte: Volta ao Algarve

 

O espanhol Luis León Sánchez (Astana) é o novo camisola amarela da Volta ao Algarve, graças ao triunfo, hoje, no alto da Fóia, em Monchique, onde terminou a segunda etapa, depois de percorridos 198,6 quilómetros desde Lagoa.

A etapa foi movimentada de princípio a final, com uma fuga de sete corredores que vigorou até à chegada das grandes dificuldades, nos últimos 35 quilómetros. As equipas dos candidatos mexeram com a corrida na subida de segunda categoria da Pomba e nas rampas da Fóia, mas só nos últimos mil metros se deram os ataques que decidiram a tirada.

Luis León Sánchez foi o mais forte, mas teve forte oposição do vencedor da Volta ao Algarve do ano passado, o galês Geraint Thomas (Sky), que gastou apenas mais 1 segundo. O esloveno Primoz Roglic (Lotto NL-Jumbo) bateu o basco Ion Izagirre (Movistar) ao sprint, conseguindo a terceira posição, a 3 segundos do vencedor.

Esta tirada, considerada a etapa rainha da prova, fez a primeira seleção, mas deixou tudo em aberto na luta pela camisola amarela Cyclin’Portugal, tal como era esperado pela organização. Luis León Sánchez assumiu a dianteira, estando Thomas a 5 segundos e Roglic a 9 segundos.

“Foi uma etapa muito rápida e muito dura. A Tinkoff impôs um ritmo forte para a fuga não ganhar mais de dois minutos. Começámos com menos dois corredores, por um virus, que nos afectou, mas procurámos estar em maioria no final. O Tiralongo fez um excelente trabalho para chegarmos na frente no alto. Sabíamos que vínhamos bem, estou contente por ganhar uma chegada de montanha, embora este final não fosse para puros escaladores mas sim para ciclistas potentes como eu ou o Thomas. Só penso em recuperar para amanhã, sei que não é um percurso mau para mim. Vou tentar não perder a vantagem para os meus adversários. É um crono bom no qual o vento tem influência. Quando te dão uma oportunidade como me deram na Astana há que dar o melhor. Estou muito agradecido”, afirmou Luis León Sánchez.

O corredor espanhol não terá missão fácil para defender o comando, já que entre os dez mais da geral há vários homens com capacidade para fazer a diferença, tanto no contrarrelógio desta sexta-feira como na última etapa, no domingo, com final no alto do Malhão, em Loulé. Até ao 16.º, Fabio Aru (Astana), a diferença para a camisola amarela é inferior a meio minuto, o que prenuncia uma reta final de competição extremamente emocionante.

Dois portugueses estão bem colocados para disputar o protagonismo com a armada forasteira. Tiago Machado (Katusha), que foi quinto na Fóia e ocupa a mesma posição na geral, a 15 segundos do comandante, e Amaro Antunes (LA Alumínios-Antarte), sétimo na etapa e na geral, a 19 segundos de León Sánchez.

O líder da geral individual saiu de Monchique também em posse da camisola verde Turismo do Algarve, símbolo da liderança por pontos, e da camisola azul Liberty Seguros, que distingue o melhor trepador. O melhor jovem é o espanhol Hector Saez, ciclista da Caja Rural-Seguros RGA, equipa que encima a tabela coletiva.

A terceira etapa da Volta ao Algarve é o contrarrelógio individual de 18 quilómetros, que se disputa nesta sexta-feira, com partida e chegada em Sagres. O russo Viktor Manakov (Gazprom-RusVelo) é o primeiro homem a ir para a estrada, às 12h30. Luis León Sánchez parte às 15h28.

Etapa/Stage
1. Luis León Sánchez (Astana), 5h08m25s (Média: 38,636 km/h)
2. Geraint Thomas (Sky), a 1s
3. Primoz Roglic (Lotto NL-Jumbo), a 3s
4. Ion Izagirre (Movistar), mt
5. Tiago Machado (Katusha), a 5s
6. Thibaut Pinot (FDJ), mt
7. Amaro Antunes (LA Alumínios-Antarte), a 9s
8. Hector Saez (Caja Rural-Seguros RGA), a 13s
9. Tiesj Benoot (Lotto Soudal), mt
10. Fabio Aru (Astana), a 15s

Geral/General
1. Luis León Sánchez (Astana), 9h00m50s
2. Geraint Thomas (Sky), a 5s
3. Primoz Roglic (Lotto NL-Jumbo), a 9s
4. Ion Izagirre (Movistar), a 13s
5. Tiago Machado (Katusha), a 15s
6. Thibaut Pinot (FDJ), mt
7. Amaro Antunes (LA Alumínios-Antarte), a 19s
8. Hector Saez (Caja Rural-Seguros RGA), a 23s
9. Tiesj Benoot (Lotto Soudal), mt
10. Jarlison Pantano (IAM Cycling), a 25s

 

Fonte: Volta ao Algarve

 

Os dois melhores contrarrelogistas do mundo da última década, Fabian Cancellara (Trek-Segafredo) e Tony Martin (Etixx-QuickStep), destacaram-se, hoje, na terceira etapa da Volta ao Algarve, um exercício individual de 18 quilómetros, em redor de Sagres. O suíço ganhou a etapa e o alemão assumiu o comando da classificação geral. O anterior líder, Luis León Sánchez (Astana), caiu e não terminou a etapa.

Num percurso plano, os grandes especialistas deram cartas e proporcionaram uma tarde de emoções fortes. Fabian Cancellara foi o mais veloz, pedalando à média de 51,551 km/h, terminando o contrarrelógio em 20m57s. Tony Martin, que logrou o melhor registo na cronometragem intermédia, ao quilómetro 11,3, cedeu na segunda metade da prova, concluindo a etapa a 5 segundos do helvético. O britânico Geraint Thomas (Sky) manteve a regularidade ao longo de todo o percurso, sendo terceiro classificado, a 28 segundos de Cancellara.

“Estou satisfeito com esta vitória, a maior alegria é vencer. Claro que bater o Tony Martin, assim como todos os outros, é importante. O vento estava muito forte. Antes de sair para um ‘crono’ há que considerar todos os aspetos técnicos e como vamos ‘rolar’. Senti-me bem no aquecimento e fui atrás da vitória. Depois de tantos anos de ausência é bom regressar ao Algarve e voltar a casa com uma vitória. Este era o meu objetivo na Volta ao Algarve”, declarou Fabian Cancellara, após a consagração no pódio.

O espanhol Luis León Sánchez partiu com a camisola amarela Cyclin’Portugal, disposto a segurar a liderança. No ponto intermédio conseguiu o sexto tempo, mas, na zona de inversão de marcha a bicicleta derrapou, atirando o espanhol ao chão e impedindo a sua continuidade em prova.

Tony Martin, que chegou extenuado ao final do contrarrelógio, sentando-se no chão após cortar a meta, viu o esforço recompensado. Não venceu a etapa, mas envergou a camisola amarela e é candidato a conquistar a Volta ao Algarve pela terceira vez na carreira, depois dos triunfos de 2011 e de 2013. O britânico Geraint Thomas (Sky), vencedor da Volta ao Algarve do ano passado, é o adversário mais direto, apenas a 3 segundos. O terceiro classificado é o basco Ion Izagirre (Movistar), a 20 segundos.

“Vamos ver se a amarela é para manter, ainda falta duas etapas. Tendo esta camisola e vou tentar ficar com ela até ao fim. Conheço bem a última subida [Malhão, Loulé], já lá estivemos noutros e espero estar num dia bom. Vim para ganhar o contrarrelógio. Não estou satisfeito com o resultado mas sim com a minha prestação. Penso que o [Geraint] Thomas é favorito, pois é mais forte do que eu na montanha”, considera Tony Martin.

Nelson Oliveira foi o melhor luso na etapa, que terminou na quinta posição, a 37 segundos de Cancellara. Na geral continua a ser Tiago Machado (Katuhsa) o português em evidência, embora tenha baixado ao sétimo lugar, a 59 segundos do líder. Nelson Oliveira é 11.º, a 1m09s, e Amaro Antunes (LA Alumínios-Antarte) fecha o top 15, a 1m38s do primeiro.

A luta pela camisola amarela Cyclin’Portugal promete ser acesa até domingo, com as bonificações das metas volantes e das chegadas e ainda com a subida ao alto do Malhão a prometerem espectáculo.

Nas restantes classificações, nota para o excelente desempenho coletivo da Movistar, que hoje colocou quatro corredores nos sete primeiros, vencendo por equipas, um desempenho, todavia, insuficiente para impedir a liderança coletiva da Katusha. Marcel Kittel (Etixx-QuickStep) veste a camisola verde Turismo do Algarve, dos pontos, Geraint Thomas enverga a azul Liberty Seguros, da montanha, e o belga Tiesj Benoot (Lotto Soudal) é o dono da camisola branca Fundação do Desporto, que premeia o melhor jovem.

A quarta etapa corre-se neste sábado, ao longo de 194 quilómetros, entre S. Brás de Alportel e Tavira. Prevê-se uma etapa com chegada ao sprint, onde se poderá assistir à reedição do duelo entre velocistas que marcou a etapa inaugural, em Albufeira.

Classificações/Results
3.ª Etapa/3rd Stage: Sagres – Sagres, 18 km
1.º Fabian Cancellara (Trek-Segafrado), 20m57s (Média: 51,551 km/h)
2.º Tony Martin (Etixx-QuickStep), a 5s
3.º Geraint Thomas (Sky), a 28s
4.º Ion Izagirre (Movistar), a 37s
5.º Nelson Oliveira (Movistar), mt
6.º Jonathan Castroviejo (Movistar), mt
7.º Alex Dowsett (Movistar), a 40s
8.º Tony Gallopin (Lotto Soudal), a 51s
9.º Victor Campanaerts (Lotto NL-JUmbo), mt
10.º Ramunas Navardauskas (Cannondale), a 55s

Geral/Overall
1.º Tony Martin (Etixx-QuickStep), 9h22m17s
2.º Geraint Thomas (Sky), a 3s
3.º Ion Izagirre (Movistar), a 20s
4.º Tony Gallopin (Lotto Soudal), a 46s
5.º Thibaut Pinot (FDJ), a 47s
6.º Primoz Roglic (Lotto NL-Jumbo), a 52s
7.º Tiago Machado (Katusha), a 59s
8.º Ilnur Zakarin (Katusha), a 1m04s
9.º Jarlinson Pantano (IAM Cycling), a 1m05s
10.º Alberto Contador (Tinkoff), a 1m07s

 

Fonte: Volta ao Algarve

 

Milhares de pessoas assistiram hoje, em Tavira, à vitória do alemão Marcel Kittel (Etixx-QuickStep) na quarta etapa da Volta ao Algarve, uma longa viagem de 194 quilómetros, que se iniciou em S. Brás de Alportel. Tony Martin (Etixx-QuickStep) continua no comando da classificação geral.

A quinta vitória de Marcel Kittel na época de 2016 foi conseguida da forma que o germânico mais gosta, ao sprint. Numa longa reta, ascendente, ladeada por milhares de adeptos, Marcel Kittel impôs-se com autoridade, relegando o holandês Wouter Wippert (Cannondale) para o segundo lugar e o belga Jens Debusschere (Lotto Soudal) para o terceiro posto. Vítima de queda, a cerca de 40 quilómetros do final, André Greipel (Lotto Soudal) não pôde discutir a etapa. O melhor português foi Samuel Caldeira (W52-FC Porto), nono classificado.

Marcel Kittel prolongou o domínio alemão em Tavira, já que as últimas três vitórias de etapa na cidade do Gilão também pertenceram a corredores germânicos: André Greipel, em 2011, Gerald Ciolek, em 2012, e Tony Martin, em 2013.

“Não tenho palavras para expressar o orgulho que sinto. As duas vitórias no Algarve foram muito boas. Hoje fizemos um excelente trabalho. Podemos estar super orgulhosos pela nossa prestação no Algarve. Vi o André [Greipel] cair, espero que esteja tudo bem”, afirmou Marcel Kittel.

Desta feita Tony Martin não venceu, mas nem por isso deixou de ter motivos para celebrar. Subiu ao pódio para envergar a camisola amarela Cyclin’Portugal que levará no corpo, neste domingo, para a quinta e última etapa da Volta ao Algarve. O galês Geraint Thomas (Sky), dono da camisola azul Liberty Seguros, de melhor trepador, é o segundo classificado, apenas a 3 segundos, e é o mais forte candidato a conquistar a geral individual.

“O final foi tranquilo. Cheguei relaxado, a nossa equipa conseguiu controlar tudo. Nos últimos 20 quilómetros, o pelotão estava bastante nervoso mas soubemos nos organizar e levar o Marcel [Kittel] à vitória. Amanhã sei que não será fácil. Tentarei manter-me com o [Geraint] Thomas e ver como me aguento. Tenho tido boas sensações mas só amanhã é que posso confirmar como realmente estou”, declarou o líder.

“Estou ansioso por amanhã. A equipa está forte, penso que vamos fazer um bom trabalho. É simpático da parte do [Tony] Martin considerar-me o favorito, ele que aqui já ganhou duas vezes. Não precisa de ser ganancioso e bem pode deixar-me ganhar amanhã. Espero ter boas pernas na subida final ao Malhão. Vou ver como me saio, mas diria que, em termos de confiança, numa escala de zero a dez, estou com dez”, avançou Geraint Thomas.

Outro aspirante de peso ao amarelo da glória é o basco Ion Izagirre (Movistar), terceiro classificado, a 20 segundos. Tiago Machado (Katusha), sétimo classificado, a 59 segundos da liderança, é o melhor português. Seguem-se Nelson Oliveira (Movistar), 11.º, a 1m09s, e Amaro Antunes (LA Alumínios-Antarte), 14.º, a 1m33s.

A Katusha comanda por equipas, Marcel Kittel enverga a camisola verde Turismo do Algarve, de líder por pontos, e o belga Tiesj Benoot (Lotto Soudal) parte a última ligação com a camisola branca Fundação do Desporto, símbolo de melhor jovem.

A 42.ª Volta ao Algarve termina neste domingo com uma jornada que se adivinha de apoteose. Os corredores vão percorrer 169 quilómetros, entre Almodôvar e o alto do Malhão, em Loulé. A meta coincide com uma contagem de montanha de segunda categoria. A tirada termina na segunda passagem pelo Malhão. Os derradeiros 50 quilómetros são de constante sobe e desce, prestando-se a ataques.

Domingo será também dia de Algarve Granfondo, prova aberta a amadores, que tem início e final em Loulé. Vão participar 700 ciclistas, que terminarão a tempo de se deslocarem para o Malhão, engrossando a multidão esperada na mítica subida algarvia. Os dados estão lançados para uma imensa festa de ciclismo.

Classificações/Results
4.ª Etapa/4th Stage: S. Brás de Alportel – Tavira, 194 km
1. Marcel Kittel (Etixx-QuickStep), 4h46m35s
2. Wouter Wippert (Cannondale), mt
3. Jens Debusschere (Lotto Soudal), mt
4. Jonas van Genechten (IAM Cycling), mt
5. José Joaquim Rojas (Movistar), mt
6. Andrea Pasqualon (Roth Team), mt
7. Phil Bauhaus (Bora-Argon 18), mt
8. Dylan Groenewegen (Lotto NL-JUmbo), mt
9. Samuel Caldeira (W52-FC Porto), mt
10. Jasper Stuyven (Trek-Segafredo), mt

Geral/General
1.º Tony Martin (Etixx-QuickStep), 14h08m57s
2.º Geraint Thomas (Sky), a 3s
3.º Ion Izagirre (Movistar), a 20s
4.º Tony Gallopin (Lotto Soudal), a 41s
5.º Thibaut Pinot (FDJ), a 47s
6.º Primoz Roglic (Lotto NL-Jumbo), a 52s
7.º Tiago Machado (Katusha), a 59s
8.º Ilnur Zakarin (Katusha), a 1m04s
9.º Jarlinson Pantano (IAM Cycling), a 1m05s
10.º Alberto Contador (Tinkoff), a 1m07s

 

Fonte: Volta ao Algarve

 

O alto do Malhão, em Loulé, encheu-se hoje com milhares de entusiastas de ciclismo que vitoriaram o espanhol Alberto Contador (Tinkoff), que conquistou a quinta e última etapa da Volta ao Algarve, e o britânico Geraint Thomas (Sky), que ganhou a geral.

Alberto Contador foi claramente o mais forte na tirada de 169 quilómetros, iniciada em Almodôvar. O corredor espanhol atacou nas duras rampas do Malhão e venceu destacado, com 20 segundos sobre Fabio Aru (Astana), Thibaut Pinot (FDJ) e Amaro Antunes (LA Alumínios-Antarte), que cortaram a meta por esta ordem. O galês Geraint Thomas foi quinto classificado, a 28 segundos de Contador, um desempenho suficiente para conquistar a camisola amarela Cyclin’Portugal.

O alemão Tony Martin (Etixx-QuickStep), que pariu de amarelo no corpo, perdeu o contacto com o grupo dos favoritos na primeira das duas subidas ao Malhão, afundando-se na classificação geral. Depois da primeira passagem pela subida louletana, o pelotão principal seguiu a ritmo muito elevado, através de um percurso sinuoso, de sobe e desce, que lembrava as clássicas das Ardenas.

Este endurecimento foi essencial para que a escalada final provocasse mais diferenças do que é usual e para que Alberto Contador conseguisse o terceiro triunfo no Malhão, depois de já ali ter celebrado em 2010 e em 2014.

“Esta é uma corrida que me traz sorte e apesar de saber que se trata da primeira competição do ano sabia que me encontrava bem. No segundo dia faltou-me a energia, alimentei-me mal e perdi demasiado tempo. Estou contente por ter ganho e por ter chegado ao pódio. Agradeço aos meus companheiros por esta vitória”, disse Contador após celebrar a subida ao pódio.

Geraint Thomas manteve-se alheio à disputa da etapa, mas sagrou-se vencedor da Volta ao Algarve pelo segundo ano consecutivo. O homem da Sky encabeçou um pódio formado ainda por Ion Izagirre (Movistar), que gastou mais 19 segundos, e por Alberto Contador, cujo excelente desempenho nesta etapa o levou ao pódio.

“Foi um dia difícil. Com o vento forte foi ainda mais complicado. Quando o Contador atacou tentámos manter a calma e não nos precipitamos a ir atrás dele. Mantivemos o ritmo para vencer a geral. Tive a maior paragem de pré-epoca da minha carreira – foram cinco semanas sem a bicicleta – e não sabia se ia estar bem. Estava sob bastante pressão porque no ano passado vim para ajudar o Richie e este ano tinha os rapazes a trabalhar para mim. Foi bom poder ganhar para lhes agradecer”, afirmou Geraint Thomas.

Amaro Antunes confirmou hoje o excelente desempenho ao longo de toda a corrida, terminando na décima posição, a 1m27s do vencedor, conquistando o estatuto de melhor português. Tiago Machado (Katusha) foi 11.º, Nelson Oliveira (Movistar)13.º e Ricardo Vilela (Caja Rural-Seguros RGA) 15.º.

A russa Katusha venceu coletivamente a Volta ao Algarve. O alemão Marcel Kittel (Etixx-QuickStep) conquistou a camisola verde Turismo do Algarve, símbolo de vencedor da classificação por pontos. O Alexandr Kolobnev, contratado para dar experiência à Gazprom-RusVelo que vai alinhar no Giro de Itália, subiu ao pódio na primeira corrida pela formação russa para vestir a camisola azul Liberty Seguros de melhor trepador. O melhor jovem e dono da camisola branca Fundação do Desporto foi o belga Tiesj Benoot (Lotto Soudal).

Classificações/Results
5.ª Etapa/5th Stage: Almodôvar – Malhão, 169 km
1. Alberto Contador (Tinkoff), 4h24m47s (38,295 km/h)
2. Fabio Aru (Astana), a 20s
3. Thibaut Pinot (FDJ), mt
4. Amaro Antunes (LA Alumínios-Antarte), mt
5. Geraint Thomas (Sky), a 28s
6. Primoz Roglic (Lotto NL-JUmbo), mt
7. Rigoberto Urán (Cannondale), mt
8. Dries Devenyns (IAM Cycling), a 30s
9. Julián Arredondo (Trek-Segafredo), mt
10. Jarlinson Pantano (IAM Cycling), mt

Geral/General
1. Geraint Thomas (Sky), 18h34m15s
2. Ion Izagirre (Movistar), a 19s
3. Alberto Contador (Tinkoff), a 26s
4. Thibaut Pinot (FDJ), a 32s
5. Primoz Roglic (Lotto NL-Jumbo), a 49s
6. Tony Gallopin (Lotto Soudal), a 50s
7. Ilnur Zakarin (Katusha), a 1m03s
8. Jarlinson Pantano (IAM Cycling), a 1m04s
9. Fabio Aru (Astana), a 1m25s
10. Amaro Antunes (LA Alumínios-Antarte), a 1m27s

 

Calendário

Fevereiro 2016

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
2829

anúncio

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Facebook

Relógio

Misterwhat

Comentários recentes

Ofertas de Emprego - Faro

Google

Pesquisa

Custom Search