Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tempo no Algarve

Estado do Tempo, Previsões, Alertas e Notícias sobre a Região Algarvia. E-mail: temponoalgarve@sapo.pt

Tempo no Algarve

Estado do Tempo, Previsões, Alertas e Notícias sobre a Região Algarvia. E-mail: temponoalgarve@sapo.pt

Calendário

Julho 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

anúncio

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Facebook

Relógio

Google

Comentários recentes

  • Botas de Mulher

    Informação sem dúvida muito útil apar quem pretend...

  • Anónimo

    Boa tardeGostaria de saber qual o horario do barco...

  • Tempo no Algarve

    Olá. Até meados de Outubro serão publicados os mes...

  • Anónimo

    Gostaria de ver os dados relacionados com a temper...

  • Anónimo

    Como podemos sugerir outra forma de adquirir bilhe...

Ofertas de Emprego - Faro

Google

Pesquisa

Custom Search

26
Jul12

1635: Autarca de São Brás de Alportel alerta para possíveis problemas na água

Tempo no Algarve

O presidente da Câmara Municipal de São Brás de Alportel alertou hoje para o perigo de poluição das águas de abastecimento de barragens, caso as áreas ardidas nos fogos da semana passada não sejam tratadas brevemente.
“Estas áreas queimadas têm que ser tratadas nos próximos meses, correndo o risco de podermos estar a poluir água de abastecimento das barragens”, afirmou hoje António Eusébio aos jornalistas no final de uma reunião com a comissão interministerial para o apoio às vítimas dos fogos florestais, que decorreu hoje em Lisboa.
De acordo com o autarca, o assunto foi um dos abordados na reunião de hoje. “Temos que encaminhar e tratar toda a massa florestal que ficou queimada em carvão e que não deve ficar naquele espaço”, disse.


A “importância de precaver algumas questões ambientais”, foi também referida pelo presidente da Comissão de Coordenação e Desenvolvimento Regional (CCDR) do Algarve, David Santos, que, tal como os autarcas de São Brás de Alportel e Tavira, também participou hoje na reunião.


“Se não forem rapidamente realizadas intervenções”, poderá haver “penetração para aquíferos ou até para as barragens de água, uma questão muito importante para o Algarve”, disse.


 De acordo com David Santos, “aquela é uma zona de recolha de água nas barragens e fornecimento para o Sotavento algarvio”.


Na segunda-feira, o vice-presidente da associação ambientalista Quercus já tinha dito, em declarações à Lusa, que os incêndios que destruíram vários hectares de floresta e mato na Madeira ou no Algarve podem provocar problemas futuros devido à fragilização do solo.


De acordo com João Branco, após estes incêndios o “solo vai ficar mais desagregado” e “passam a haver grandes arrastamentos de terra” o que “pode provar erosão”.


O dirigente da Quercus admitiu que, com os incêndios da última semana, aumenta a probabilidade de se voltarem a repetir enxurradas no inverno como as que ocorreram recentemente na Madeira.


 “Na ausência de vegetação há muito menor infiltração da água o que provoca maior escorrência superficial. Em situações anómalas de precipitação a ausência de vegetação vai agravar os efeitos das enxurradas e poderá haver enxurradas que não ocorreriam se estivesse lá a vegetação”, assinalou João Branco.


Fonte: Região Sul

26
Jul12

1634: Incêndios: Na Serra do Caldeirão a rota da cortiça deu lugar à "rota do carvão"

Tempo no Algarve
Isabel Pires, 67 anos, olha em lágrimas para a terra que deu sustento à sua família durante gerações. A serra do Caldeirão está hoje transformada na "rota do carvão", com hectares de encosta queimada, onde não se vislumbra qualquer fonte de rendimento.

Em 2004, um outro incêndio consumiu parte da produção de montado de sobro e cerca de 400 colmeias da habitante da Cova da Muda, São Brás de Alportel. A tragédia repetiu-se há uma semana mas, desta vez, com mais dramatismo. Foi perdido todo o trabalho de uma vida.

"O que não ardeu em 2004 ardeu agora. Acresce ainda o prejuízo do investimento feito nestes oito anos. Todo o montado ficou destruído e mais de 150 colmeias. O que a serra produziu em décadas, as chamas destruíram em poucos minutos. Foi o fim", vaticina Isabel Pires, enquanto aponta para as abelhas que sobreviveram ao "inferno" e pousam no mel que ainda escorre pelo solo seco e queimado.

Indignada, a moradora acredita que a desgraça, que consumiu 35% do total do concelho de São Brás de Alportel, podia ter sido evitada, caso as entidades responsáveis tivessem atuado no período que mediou os dois grandes incêndios.

"Durante estes oito anos devia ter-se feito muita coisa. Esta é uma zona crítica, mas os nossos governantes nunca ligaram à serra nem aos seus moradores. Fizeram-se miradouros, criou-se uma rota da cortiça e agora faz-se a rota do carvão. Depois de estar tudo queimado é que se fazem os corta fogos", lamenta a habitante, antes de nos deixar na estrada que separa São Brás de Alportel e Tavira.

Ao longo da encosta o cenário é desolador. O que antes era uma paisagem verde, é agora um deserto negro sem vida e em silêncio. O cheiro a queimado e os focos de fumo a sair das entranhas de algumas árvores transportam-nos para o incêndio que atingiu o coração da Serra do Caldeirão, onde estiveram mais de mil bombeiros.

Este é o Algarve profundo, bem diferente das imagens turísticas das praias que aparecem na televisão. Ao fim de alguns quilómetros, a única pessoa que avistamos foi um ciclista e algumas povoações "perdidas" no meio da serra.

Chegados à aldeia de Cabeça do Velho, uma das zonas mais fustigadas, está Maria Ramos, 55 anos, que reside com os pais. Além do montado de sobro, o fogo consumiu tudo o que estava no interior dos nove anexos espalhados pela serra.

"Cerca de 300 litros de azeite, 50 caixas de batatas e de alfarrobeiras, centenas de litros de vinho, quatro motociclos e as alfaias agrícolas. Morreram sete coelhos e dois patos. Isto é uma tristeza enorme. A serra transformou-se num deserto de cinzas. Era visitada por muitas pessoas e turistas, mas agora quem é que vem para cá?", questiona, Maria Ramos, ao pé do que um dia foi um motociclo.

Ao seu lado está Guiomar Rodrigues. Enquanto conta como combateu o incêndio sozinha a partir do telhado da sua habitação, a sexagenária aponta para uma galinha morta na encosta e leva-nos até duas casas queimadas que serviam de arrumações.

De um bidão corre ainda vinho tinto. Na parede negra permanece um quadro de nossa senhora de Fátima. Num dos lados está o ferro e as molas contorcidos de duas camas. A ração para os animais resume-se a cinzas.

Subindo a serra do Caldeirão pelo lado de Tavira, o negro continua a ser a cor predominante. Manuel Dias, 71 anos, reside na zona de Castelão. As duas arrecadações onde guardava as ferramentas para trabalhar a terra arderam. O burro - sem nome - acabou por morrer quando tentava fugir das chamas.

A alegria de Manuel Dias, ao acordar todos os dias e de ver a serra verde e pujante, deu agora lugar à tristeza, à angústia e à desilusão de ver "morrer" o que tinha tanta vida.
 

Calendário

Julho 2012

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

anúncio

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Facebook

Relógio

Google

Comentários recentes

  • Botas de Mulher

    Informação sem dúvida muito útil apar quem pretend...

  • Anónimo

    Boa tardeGostaria de saber qual o horario do barco...

  • Tempo no Algarve

    Olá. Até meados de Outubro serão publicados os mes...

  • Anónimo

    Gostaria de ver os dados relacionados com a temper...

  • Anónimo

    Como podemos sugerir outra forma de adquirir bilhe...

Ofertas de Emprego - Faro

Google

Pesquisa

Custom Search