Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Tempo no Algarve

Estado do Tempo, Previsões, Alertas e Notícias sobre a Região Algarvia. E-mail: temponoalgarve@sapo.pt

Tempo no Algarve

Estado do Tempo, Previsões, Alertas e Notícias sobre a Região Algarvia. E-mail: temponoalgarve@sapo.pt

Calendário

Janeiro 2011

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

anúncio

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Facebook

Relógio

Misterwhat

Comentários recentes

Ofertas de Emprego - Faro

Google

Pesquisa

Custom Search

27
Jan11

1223: Algarve aposta nas energias renováveis

Tempo no Algarve

No Algarve, as 'energias verdes' contam com aproveitamento da energia eólica, solar, hídrica e de biomassa, de projetos tanto empresariais como particulares. Siga aqui a rota das ventoinhas, e dos painéis solares, de barlavento a sotavento.


 



Aljezur é um dos concelhos que possui mais parques eólicos no Algarve, ao todo cinco localizações no Pico Alto, Feiteirinha, no Espinhaço de Cão, Pico Alto, Guerreiros e Bordeira, de acordo com a Direção Geral de Energia e Geologia, entidade que licencia estes projetos.


 


Entre as empresas See-Sul Energia Eólica, Lda e a Enernova, SA existem mais de 62.790 kWh por ano de potência.


 


Acrescem projetos particulares, na sua maioria com microturbinas com potência de 5 kWh a que se aliam também painéis solares, como é o caso da Feiteirinha.


 


Em Monchique, as eólicas rodam no Sítio da Madrinha (10750 kWh) e há também uma produção de biomassa alimentada com resíduos florestais da EDP,SA, que debita 15.750 de potência.


 


O Parque Eólico do Barlavento em Barão de São João (53750 de potência) e uma exploração hídrica da Associação de Regantes Beneficiários do Alvor coloca Lagos no caminho das energias renováveis.


 


Já em Silves, à produção de energia solar de alguns privados de 4 e 5 kWh, a empresa Águas do Algarve, SA tem duas hídricas com uma potência de 44 e 350 em Alcantarilha.


 


Em Vila do Bispo destaca-se o Parque Eólico de Vila do Bispo com 11512 de potência, a que se juntam as explorações da Unit-Energy, SA que aliam a exploração da energia eólica à solar resultando num débito energético de 14.120 kWh.


 


Biogás e solar em Portimão


 


O parque solar do autódromo internacional do Algarve e a estação de biogás da Algar, SA com potência de 100 e 900 respetivamente, juntam-se as hídricas das Águas do Algarve em Chão das Donas e Fontainhas (8230 e 36 de potência), em Portimão.


 


Para o sistema ficar completo refira-se ainda o licenciamento, em agosto de 2009, para a extração de gás natural da empresa Such-Dalkia, ACE com uma potencia 1525 kWh.


 


Albufeira vê explorada a energia térmica através da Algar -Valorização de Resíduos Sólidos do Algarve, SA, enquanto em São Brás de Alportel a mesma empresa tem a funcionar outra estação de biogás, representando ambas 1687 kw de potência instalada.


 


Em Loulé funciona igualmente uma estação de biogás da Algar, SA (1210 kWh) enquanto em Faro a aposta é na energia solar, através de painéis da BP,SA (18 kWh). A empresa Rolear, SA possui também uma estação de energia solar que debita 43 kWh.


 


Concluindo-se a exploração das renováveis neste concelho com a estação de aproveitamento de biomassa da Forestech, Tecnologias Florestais, SA com um potencial de 2260 kWh.


 


A Águas do Algarve instalou em Brancanes (Olhão) uma exploração de energia hídrica com a potência de kWh e, ao chegar a Tavira teremos em Pêro-Gil outra hídrica (61 kWh) e ainda o projeto da Tavira-Energia Solar, SA com uma potência licenciada de 6500 kWh/ano.


 


O parque eólico do Malhanito com potência de 62350 e exploração da ENEOP,SA e ainda o projeto em curso da Blue Future, Lda irá alargar a capacidade de energia eólica do concelho tavirense em mais 6500 kWh.


 


Castro Marim é, no sotavento algarvio e de acordo com a lista de projetos licenciados ou em curso da Direção Geral de Energia e Geologia (DGEG), o último concelho a lesta que possui exploração de energias renováveis, com a mini-hídrica (32 kWh ), da Águas do Algarve SA, no Beliche.


 


Fonte: Observatório do Algarve


27
Jan11

1222: Projeto Forward vai promover a certificação do marisco da Ria Formosa

Tempo no Algarve

As principais variedades de marisco da Ria Formosa vão ser objeto de um procedimento tendo em vista a certificação, no quadro do projeto Forward (Framework for Ria Formosa Water Quality, Aquaculture and Resource Development), atualmente em desenvolvimento no âmbito do Programa Polis.


 


Se a certificação avançar, "permitirá a qualificação diferenciada da produção da Ria, constituindo simultaneamente uma garantia de qualidade e de exclusividade para o consumidor", salienta a Sociedade Polis.

Para o presidente da Cooperativa Formosa Mar Manuel Augusto da Paz, a certificação é “uma valorização do que se produz na Ria”, trazendo “mais proveitos económicos e melhores condições” aos que dela tiram o sustento do dia-a-dia.

E adianta que os dois produtos com melhores condições para a certificação são a amêijoa boa e a ostra.

“A amêijoa boa da Ria Formosa é uma das melhores do Mundo e apesar de ser a mesma espécie que é capturada na Foz do Arelho ou na Lagoa de Óbidos, é mais resistente, porque aguenta mais tempo fora de água, devido ao tipo de marés da nossa Ria”, explica o presidente da Formosa Mar.

Manuel Augusto da Paz sustenta que essa especificidade “tem que ser reconhecida através de um processo de certificação”.

Para o presidente da VIVMAR - Associação de Viveiristas da Ria Formosa Américo Custódio, a certificação de produtos da Ria Formosa “é um anseio de muitos anos”, que pode trazer benefícios para os proprietários e trabalhadores dos viveiros.

“A certificação deve abranger todos os produtos da Ria, não deve haver descriminações de produtos”, opina o dirigente associativo, que considera “muito positivos” os passos dados pelo projeto Forward para permitir a certificação de produtos.

Ambos os dirigentes consideram que os estudos no âmbito do Forward, nomeadamente os que conduzirão à definição da capacidade de carga da Ria Formosa, são fundamentais para o aumento da qualidade dos produtos da Ria, tanto os bivalves como a produção de aquicultura, sem a qual não serão possíveis as certificações.

Os dois representantes dos viveiristas da Ria Formosa fazem parte da Comissão de Acompanhamento do projeto Forward, cuja primeira reunião teve lugar na passada quinta-feira, 20 de Janeiro, na sede do Parque Natural da Ria Formosa, na Quinta de Marim, Olhão.

Integrado no conjunto de objetivos gerais do Plano de Valorização e Gestão Sustentável das Atividades ligadas aos Recursos da Ria, o Forward conjuga estudos de campo, experiências de laboratório e modelos matemáticos.

Tem também como objetivos identificar as potencialidades de reconversão e modernização de algumas atividades económicas da Ria, identificar as necessidades de formação de ativos para as boas práticas ambientais e contribuir para o planeamento da pesca e apanha lúdica no espaço lagunar.

Na reunião da Comissão de Acompanhamento, as apresentações estiveram a cargo da FCT/UNL - IMAR, INRB – IPIMAR e Cooperativa Formosa.

Teve lugar uma discussão alargada, contando com intervenções de diversas entidades, tais como a ARH-Algarve, ICNB, e DGPA, bem como de associações de produtores, nomeadamente a VIVMAR, Formosa, e Associação Portuguesa de Aquicultura.

Os estudos do Forward continuarão até Janeiro de 2012, sendo realizados por uma equipa multidisplinar conjunta do IPIMAR (coordenada pelo engenheiro Carlos Vale) e FCT/UNL - IMAR – Instituto do Mar (coordenada pelo professor João Gomes Ferreira), sob a égide do Programa Polis Litoral Ria Formosa.

O projeto está a ser desenvolvido em estreita colaboração com a ARH-Algarve, ICNB e Direcção Geral da Pescas e Aquacultura-DGPA.

Estes estudos contribuirão para a melhoria das condições de funcionalidade da Ria Formosa, compatibilizando a conservação dos valores naturais e o exercício das atividades económicas, procurando aumentar a sua produtividade.

Neste âmbito, continuarão a ser realizadas sessões regulares com entidades e representantes dos diversos setores, de forma a assegurar a participação de todos os interessados ao longo de todo o projeto.


 


Fonte: Barlavento Online

Calendário

Janeiro 2011

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031

anúncio

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Pesquisar

Facebook

Relógio

Misterwhat

Comentários recentes

Ofertas de Emprego - Faro

Google

Pesquisa

Custom Search